sábado, 28 de março de 2015

STANHOPE ALEXANDER FORBES

STANHOPE ALEXANDER FORBES - Tarde na ponte - Óleo sobre tela - 61 x 76 - 1937

STANHOPE ALEXANDER FORBES - Woolpack Inn - Óleo sobre tela - 55,8 x 76,2 - 1937

Stanhope Alexander Forbes é o meu artista preferido da resposta britânica ao movimento impressionista francês. Ainda que ele não tenha sido o mais famoso artista britânico do movimento; nomes como Sargent e Lavery são sempre mais lembrados; gosto especialmente dos trabalhos de Forbes pelo conjunto com que conseguiu reunir, tanto de técnica, temas e propostas. Há algo diferenciado nele! Sua luz é brilhante e sua paleta não tem a austeridade de muitos dos seus conterrâneos. Mesmo para as cenas nubladas e noturnas, há sempre uma iluminação especial.

STANHOPE ALEXANDER FORBES - O barco seine - Óleo sobre tela - 106,7 x 157,5 - 1904

STANHOPE ALEXANDER FORBES
Dia de gala em Newlyn, Cornwall
Óleo sobre tela - 106 x 136 - 1907

Foi ele mesmo que afirmou, em seu Tratamento de Arte da Vida Moderna: “A beleza está na luz, tanto na atmosfera que rodeia as coisas, como nas suas formas”. Percebe-se que seguia isso como uma lei, ou melhor, incorporou o espírito daquilo que afirmou, com propriedade e convicção. O movimento impressionista nas Ilhas Britânicas foi tímido, se comparado à França, mas ainda assim, conseguiu arrebanhar um número considerável de artistas, e muitos deles são hoje mundialmente reconhecidos. O mais curioso é que o Impressionismo, nos seus anos iniciais, teve inspiração num pintor inglês, John Constable, numa passagem de Monet pelo país. Mas, a Grã-Bretanha sempre se fechou demais às modernidades nas artes plásticas e o Impressionismo sempre foi aceito com reservas.

STANHOPE ALEXANDER FORBES - Indo à escola, Paul, Penzance
Óleo sobre tela - 51 x 61 - 1917

STANHOPE ALEXANDER FORBES - O lago
Óleo sobre tela - 49 x 61,5

O hábito de pintar ao ar livre também era um exercício que Forbes não abria mão, embora gostasse do trabalho em estúdio. Até no estúdio, admirava as cores quentes e a espontaneidade das composições. Mesmo que tenha uma leitura impressionista em muitas de suas obras, o trabalho de Forbes nos remete mais à escolas naturalistas, como a de Barbizon. Suas cenas tem um realismo que conforta e é impossível ficar imparcial diante delas. Há vários atributos para o trabalho de Forbes, mas uma definição de Norma Garstin (artista e crítica de arte de sua época) me parece a mais coerente: “Ele é um bom pintor, não sentimental, e há em seus trabalhos um senso de sinceridade que agrada a todos”.

STANHOPE ALEXANDER FORBES - À saúde da noiva
Óleo sobre tela - 152,4 x 200 - Tate Gallery, Londres

Stanhope Alexander Forbes nasceu a 18 de novembro de 1857, em Dublin, na Irlanda. Suas primeiras formações artísticas se deram na Faculdade de Dulwich, com John Sparkes. Após uma estada na Irlanda, onde realizou trabalhos locais até 1879, Forbes partiu para Paris, onde ficou entre 1880 e 1882, estudando no ateliê particular de Léon Bonnat, em Clichy. Sua técnica, bem como estilo, foram herdados de outro artista, Jules Bastien-Lepage, que usaria por toda sua vida. Em 1881, conheceu o artista Henry Herbert La Thangue e passaram uma temporada pintada ao vivo em Cancale, na Bretanha. Sua passagem por essa região mexeu tanto com ele, que no seu retorno à Inglaterra, daria novos rumos à sua carreira.

STANHOPE ALEXANDER FORBES - Olhando longe - Óleo sobre tela

STANHOPE ALEXANDER FORBES - Venda de peixes em uma praia de Cornish
Óleo sobre tela - 121 x 155

Em 1874, instala-se na cidade de Newlyn, exatamente por conter as características francesas da Bretanha, que tanto o seduziram na sua viagem. Apaixonou tanto pelo lugar, que acabou montando por ali uma espécie de retiro de artistas, uma colônia de amantes da arte ao ar livre e que ficaram conhecidos como a Escola de Newlyn. Falar da vida de Forbes, sem citar a Escola de Newlyn, é como não falar sobre ele. Newlyn é um pequeno porto de pesca que encontra-se cerca de uma milha e meia de Penzance, na costa sul da península Penwith de Cornwall. Como tem um acesso fácil a Londres, por uma via férrea, e na época era um local de estadia bem econômica, acabou se tornando um paraíso para um grande grupo de artistas ingleses.

STANHOPE ALEXANDER FORBES - Jovens pescadores - Óleo sobre tela - 1930

STANHOPE ALEXANDER FORBES - A forja
Óleo sobre tela - 155,1 x 117,5

A região de Newlyn era especial em vários aspectos. Ainda estava quase intocada pela Revolução Industrial e possuía uma beleza natural exuberante. Penhascos de granito e mares espumantes, onde os pescadores levavam uma vida sem pressa e tanto inspiraram aos artistas que lá passavam. Walter Langley foi o primeiro artista residente no local, mas o movimento só ganhou força com a chegada de Forbes. Ao fim do ano de 1884, já estavam quase 27 artistas morando no local, além dos muitos artistas temporários, atraídos pelos ecos da Escola de Newlyn e que também se encantavam pelo lugar.

STANHOPE ALEXANDER FORBES
Sol e sombra, uma vila de comerciantes próxima a Newlyn Harbour
Óleo sobre tela - 61 x 81 - 1909

STANHOPE ALEXANDER FORBES - Praça do mercado
Óleo sobre tela - 91 x 73 - 1921

Vários trabalhos colocaram Forbes e todo o grupo em evidência e, em 1892, ele se associou à Academia Real e em 1895, tornou-se o presidente-fundador e curador da Galeria de Arte Newlyn. Também fundou, em 1899, a Escola de Arte Newlyn. Foi uma iniciativa que atraiu inclusive novos investimentos para a região, que havia passado aquela década com várias crises na Indústria de Pesca. Ele produziu muitos trabalhos naquele período e sentia realizado em todos os aspectos. Mas, como todo movimento artístico, esse também foi perdendo forças, no início do século XX, quando alguns artistas buscavam novos rumos. Forbes, porém, continuou por ali.

STANHOPE ALEXANDER FORBES - Na ordenha
Óleo sobre tela - 51 x 61 - 1917

STANHOPE ALEXANDER FORBES - No quintal - Óleo sobre tela - 62,2 x 77,4 - 1938

Em 1910, Forbes foi eleito um membro da Academia Real e teria sua carreira ainda mais solidificada dali em diante. A consagração chegaria em 1933, quando conquistaria a honraria de Real Acadêmico Sênior.

Ele faleceu em Newlyn, no local que escolheu para sua vida, a 2 de março de 1947.

STANHOPE ALEXANDER FORBES - Ponte Relubbus
Óleo sobre tela - 51 x 76 - Pintada entre 1928 e 1930